LOCAL LOW PRESSURE AREAS IN ANTICLINE STRUCTURES

Boris P. Sibiryakov, Lourenildo W.B. Leite, Egor P. Sibiryakov, Wildney W.S. Vieira

Abstract


ABSTRACT. In order to localize low pressures zones in sedimentary basins for oil and gas exploration, it is necessary to know P and S wave velocities for medium.Strictly speaking, we need to know the rock densities for all layers, and in addition there are many correlation tables between seismic velocities and densities; besides,density is a parameter admitted to change slowly with depth to the top of the target interface. P wave velocities are considered a conventional asset, and S wave velocitiescan be obtained from special field survey, in particular from converted P-S waves registered by VSP technology, and by petrophysical measurements. The theory in thispaper deals with stress prediction in the subsurface, and takes in consideration the constitutive parameters (density and Lame"™s), and the geometry of the reservoir targetsurface. The model does not separate the different contributions (porosity, fluids) to the rock velocities controlled by the constitutive parameters. It is not a necessarycondition that an anticline be a potential structure for oil and gas accumulation. This role can be played by horizontal structures if there is a positive γ = VSVPratio discontinuity, or a negative discontinuity of the Poisson, σ, ratio across the horizontal boundary. These conditions are responsible for producing a pressurediscontinuity, such that beneath the boundary there will be a sufficiently lower pressure zone than above the boundary. In this case, the lower horizontal boundary is saidto be an attractor surface for fluids of the any kind; in the opposite case, this boundary does not have fluid attractor properties.

Keywords: seismic structured media, porous media, anticline structures, pressure prediction.

RESUMO. Com o objetivo de localizar zonas de baixa pressão em bacias sedimentares voltadas à exploração de óleo e gás, é necessário conhecer as velocidades dasondas P e S para o meio. Mais especificamente, precisamos conhecer a densidade das rochas em todas as camadas, e aditivamente existem várias tabelas de correlaçÜntre velocidade e densidade das rochas; além disso, é um parâmetro que varia lentamente com a profundidade até o topo da interface-alvo. A velocidade das ondas P éconsiderada uma informação convencional, e a velocidade das ondas S pode ser obtida por levantamentos especiais de campo, em particular a partir da conversão P-Sregistrada por tecnologia VSP, e por medidas petrofísicas. A teoria deste trabalho trata da predição de tensão na subsuperfície, e leva em consideração os parâmetrosconstitutivos (densidade e de Lamé), e a topografia em superfície do reservatório-alvo. O modelo não separa as diferentes contribuições (porosidade e fluidos) paraestabelecer as velocidades nas rochas controladas pelos parâmetros constitutivos. Não é uma condição necessária que uma superfície anticlinal seja uma estruturapotencial para o acúmulo de óleo e gás. Esta condição pode ser representada por uma superfície horizontal, se existir uma discontinuidade na razão γ = VSVP, ouuma descontinuidade negativa na razão de Poisson, σ, através da superfície. Estas condições são responsáveis por produzir uma descontinuidade de pressão, de talforma que abaixo da interface existirá uma zona de pressão mais baixa do que há acima da mesma. Neste caso, a parte inferior da superfície é considerada como umatrativo de fluidos de qualquer tipo; e no caso oposto, esta superfície não ´e dotada de propriedades de atração de fluidos.

Palavras-chave: meios sísmicos estruturados, meios porosos, meios fraturados.


Keywords


seismic structured media, porous media, anticline structures, pressure prediction



DOI: http://dx.doi.org/10.22564/rbgf.v33i2.716










Revista Brasileira de Geofísica (printed version): ISSN 0102-261X
v.1n.1 (1982) – v.33n.1 (2015)

Revista Brasileira de Geofísica (online version): ISSN 1809-4511
v.15n.1 (1997) – v.29n.4 (2011)

Brazilian Journal of Geophysics (online version
a partir de v.30n.1 (2012)



Brazilian Journal of Geophysics - BrJG

Sociedade Brasileira de Geofísica - SBGf
Av. Rio Branco 156 sala 2509
Rio de Janeiro, RJ, Brazil
Phone/Fax: +55 21 2533-0064
E-mail: editor@sbgf.org.br